23/01/2017 by marioregueira

Os melhores livros de 2016

Uma vez que a maior parte das listas mais ou menos colaborativas foram saindo à luz, quero deixar, igual que o janeiro passado, a minha impressão do ano literário em língua galega. Como já disse, e imagino que seguirei dizendo no futuro, isto é uma lista mínima e completamente pessoal, que é a única forma que tenho de fazê-la. Do que li (que foi muito, mas também não foi todo), eu ficaria com estes livros para resumir o 2016. Sobra dizer que há muitos outros excelentes, alguns, capazes de disputar-lhes o protagonismo a estes, simplesmente eu começaria por eles.

Cara ao leste, de Antía Nara (Xerais)

Para mim, uma das surpresas literárias do ano. O regresso à narrativa de Antía Nara, com um romance de tese, capaz de gerar o seu próprio suspense cenital apelando a um argumento tão de actualidade como liberado dos tópicos esencialistas com os que habitualmente é tratado. O genocídio silencioso que despoboa o nosso país de mocidade, o papel das identidades subalternas na realidade rural, a propriedade da terra ou o futuro de uma Europa post-soviética são temas que, por desgraça, não é habitual ver na literatura galega contemporânea. E muito menos tratados com esta mestria.

Suicidas, de Fran Cortegoso (Chan da Pólvora)

A pena mais grande do ano foi o passamento de um autor novo e prometedor, mas também ver como o relato do seu final ameaça com reinterpretar uma aposta poética que deveria ir bem mais além e ser lida à margem das lendas e os seus acasos. Suicidas não é um livro importante por ter saído dias antes de que o seu autor finasse, deverá ser um livro importante para nós por muitas outras coisas, entre elas uma aposta lírica com uma densidade não vista antes e uma perspectiva ante à criação poética tão abrangente que é impossível evitar o sentimento de vertigem.

Novas do Exterior, de Xosé Luís Santos Cabanas (Axóuxere)

A crónica de Santos Cabanas comove por dois motivos: o primeiro e mais evidente pela história que narra, que parte da detenção do seu filho, Antom Santos e contínua nos 63.000 quilómetros de viagens à prisão do subtítulo, a parte mais visível de um calvário judicial e penitenciário absolutamente kafkiano. Em segundo lugar, porque o pai do prisioneiro é capaz, mesmo assim, de oferecer um relato de qualidade, com uma certa distância que porém não deixa de denunciar os absurdos que rodearam o julgamento, o castigo acrescentado da dispersão e do regime penitenciário, ao tempo que testemunha a solidariedade que lhe foi saindo ao passo.

#2016#Antía Nara#Axóuxere#Chan da Pólvora#Crítica#Fran Cortegoso#Lectura#Literatura#Xerais#Xosé Luís Santos Cabanas

14/01/2016 by marioregueira

Os melhores livros (galegos) de 2015

As listas de “melhores livros são o que são: pessoais, incompletas, e forçosamente subjectivas. Apesar disso, a minha decisão de participar nelas vem dada porque acho que alguma utilidade seguem a ter, ainda que seja para ajudar a outras pessoas a escolher um livro ou a não escolhê-lo em absoluto. O primeiro que devêramos clarificar é que, por sorte, é impossível ler toda a produção anual em língua galega. E eu não o fixem, mas é certo que, mesmo num ano com tão pouco tempo para a leitura recreativa como foi este 2015, dei conta de uma parte importante dela. E dos livros que li eu destacaria três. Se calhar os melhores. Se calhar não. Se tendes que ler só três livros editados em 2015, eu recomendaria que lêreis estes. E se tivéreis que levar três livros a uma ilha deserta… Eu recomendar-vos-ia que não leveis livros a uma ilha deserta. Levai uma cana de pescar. Ou uma zodiac para poder voltar.

Detalle da portada de Cabalos e lobos

Cabalos e lobos, de Fran P. Lorenzo (Edicións Xerais).

Não só o que considero o melhor romance deste ano, senão também um das mais destacados do último lustro da literatura galega. Com uma ambientación viguesa que supera a vigo-exploitation que começa a campar nas nossas letras e resgata as verdadeiras entranhas da cidade, a sua memória operária e combatente, a suas histórias privadas, as vezes tão importantes como essa história colectiva, ou ao menos assim consegue o autor que as vejamos. Uma obra com um início espectacular e um ritmo absolutamente invejável que consegue mergulhar o lector numa história na que o passo das guerras e da repressão franquista oculta um passado familiar que iremos descobrindo pouco a pouco.

Seique, de Susana Sánchez Arins (Através)

Confesso que cada vez me custa mais entusiasmar com a poesia. E pode que o melhor exemplo é que, de todos os livros do género, escolha Seique, que não é poesia, ainda que também não é exactamente narrativa breve e definitivamente não é um romance. Finjamos que é poesia por estar escrito por uma poeta ou porque as coisas que não sabemos qualificar nessa fluência dos géneros literários são quase sempre poesia. Seique aborda as questões da memória e do legado da guerra civil espanhola duma forma completamente inovadora para a literatura galega. Tomando como ponto de partida a participação de um dos seus familiares na repressão franquista, a autora consegue evocar essa complexa posição e falar da dificuldade de construir narrativas sobre o trauma e da relação entre a violência intra-familiar e a violência política, se calhar duas caras da mesma moeda.

Marxes e centros

Marxes e centros. Para unha socioloxía do campo cultural, de Antón Figueroa (Laiovento).

Um amigo dizia-me há pouco que, se eu era bourdieano, era por ser previamente, e de forma bem mais intensa, figueroano. Tem parte de razão e nunca neguei que Antón Figueroa foi um dos mestres mais excepcionais que tive a fortuna de encontrar na minha trajectória académica. Este livro recopila uma parte importante dos seus artigos dos últimos anos, a maior parte deles referidos coerentemente a uma perspectiva sociológica sobre o desenvolvimento das culturas, e especificamente de culturas periféricas ou subalternas como a galega. Porém, o volume também é interessante por contar com uma entrevista final realizada pelos editores ao autor e que, pelas poucas vezes que Figueroa tem falado de sim próprio nestes anos, resulta uma alfaia que ajuda também a conhecer melhor uma das mentes mais preclaras que têm dado os estudos literários galegos.

#2015#Antón Figueroa#Através#ensaio#Fran P. Lorenzo#Laiovento#Libros#Literatura#narrativa#poesía#Susana Sánchez Arins#Xerais

07/07/2010 by marioregueira

A resistencia como tradición

07/07/2008 by marioregueira

Nacer é unha república de árbores

Este sitio web emprega cookies para que vostede teña a mellor experiencia de usuario. Se continúa navegando está dando o seu consentimento para a aceptación das mencionadas cookies e a aceptación da nosa política de cookies, pinche na ligazón para máis información.plugin cookies

ACEPTAR
Aviso de cookies